sábado, 7 de março de 2015

Eu prometo.

Eu te prometo amor, fidelidade e sinceridade. Te prometo dar tudo que uma mulher pode tentar dar de bom a um homem numa relação, prometo rir, fazer piadas e ironias com o cotidiano, tentar deixar de lado qualquer preconceito bobo ou medinho e tentar ser amiga dos seus amigos, prometo sorrir, dedicar músicas, fotos e beijos. Fazer brigadeiro de colher com granulado colorido num sábado a tarde. Colocar meu melhor perfume nos lugares estrategicamente pensados para te inebriar e seduzir. Prometo te ajudar a escolher a gravata, dançar de um jeito bobo pra te divertir e também a sério para arrasarmos numa eventual pista.

Mas o que nem todos se lembram de deixar claro quando as coisas legais já estão sendo descobertas é o que eu vou acabar fazendo por parte do meu "lado b". Vou ter TPM, ciúmes, vou querer algumas coisas a moda antiga e te cobrar determinadas atitudes. Vou querer surpresas, paciência, compreensão, dedicação, determinação, que saiba ler nas entrelinhas e ver que algumas vezes, na hora da raiva, quando eu disser "não precisa mais vir" ou "eu não vou mais", será na verdade um pedido sincero de "por favor, tenha uma atitude vigorosa e carinhosa e me contrarie nesse momento, pois estou inconscientemente testando até onde você aguenta lutar por mim e eu quero MUITO que VOCÊ venha atrás de MIM". Eu vou acabar sendo chata as vezes, eu vou erroneamente esperar atitudes que não sei se poderá me oferecer.

Quando eu fico me perguntando e te perguntando de alguma maneira essa questão da constância, quer dizer que eu quero ter certeza das coisas para não machucar novamente esse órgão cheio de corpos venosos que fica alocado do lado esquerdo do peito. No fundo as questões mais íntimas e peculiares da raça humana começam e terminam passando pelo mesmo citado. Sei que estou te cobrando e as vezes paro pra pensar se não estou exagerando e correndo riscos de a longo prazo colocar as coisas a perder, mas ao mesmo tempo não fico em paz se me privo de colocar pra fora o que estou sentindo. Quando você me diz certas coisas sobre "esperar para ver como fica antes de já sair me vendo direto", me deixa com um misto de incertezas, uma ponta de admiração por sua maturidade que desponta e ao mesmo tempo receio que lá na frente você veja tudo isso como passatempo de aprendizagem que vai embora junto com a fumaça, o ar líquido.
Não vou ficar aqui fingindo que essas palavras não são para você porque são, e se eu não puder falar tudo o que eu sinto rasgadamente aqui, num lugar que leva o meu nome, vou poder falar aonde? Pras paredes? Pras amigas, que vão me ajudar, dar carinho, mas irão dizer que não posso deixar ninguém saber disso pois não se deve mostrar esses pensamentos? Aqui é o meu lugarzinho nesse organismo vivo enorme que chamamos de mundo e eu me sinto em casa para dizer tudo que eu penso, e da melhor maneira que sei: Com as palavras.

Que as mesmas sejam úteis a quem passar, ler e se identificar, de alguma maneira. Que o tempo, o vento e os seus sentimentos me tragam as respostas certas, e que se não for muito, pedir um modesto auxílio celestial ao criador para me trazer as coisas que eu sempre quis ouvir, ler, ver e sentir. E que tire um pouco esse bichinho que pede pra ser alimentado dentro de mim, chamado ansiedade, e que me faz estar aqui agora precisando escrever tudo isso. Oras senhor, seja benevolente, afinal são relatos sinceros e pedidos conscientes.
Eu prometo. ♥

Nenhum comentário: