quarta-feira, 9 de julho de 2014

Etc - Quando você ama uma pessoa de carne e osso

As vezes nós passamos a maior parte do tempo fantasiando com a pessoa perfeita, e quando finalmente a encontramos, vemos que a "perfeição" não existe, nem da nossa parte, nem da dela. Mas, e quando mesmo assim cada vez que a olhamos temos um sentimento de amor e ternura sinceros?

Você olha pro outro, e ele não é o príncipe do cavalo branco que você tanto esperou, ele dorme mais do que a cama, esquece de te responder várias vezes no Whatsapp, não entende porque você chora tão fácil, nunca te deu flores e não tem jeito pra falar dos próprios sentimentos e fazer declarações de amor, dizer palavras bonitas. Ele fala sobre precisar de espaço, é metódico, tenta delimitar o tempo de tudo, até do quanto vocês ficam juntos, as vezes ele é chato e até egoísta. Mas ainda assim você gosta dele, fica se perguntando o que te move a insistir nessa pessoa.

Depois de pensar em tudo isso, você lembra da forma como ele te olha e sorri quando vocês estão abraçados na cama, um de frente pro outro, como foi mágico o dia em que vocês se conheceram de fato, como ele se preocupa com você de um jeito serio, os dias que fizeram coisas simples e divertidas, como andar de pedalinho na lagoa ou pegar um ônibus para lugares aonde você nunca pensou estar um dia, por exemplo. Como o seu riso é feliz com o dele. Como seu abraço é quentinho, como é gostoso dormir de conchinha, o beijo, o quanto vocês ainda tem o que se conhecer e trocar, mesmo que ele não seja capaz de perceber, pois foi tudo muito rápido, inesperado e intenso.



Você entrou totalmente no mundo dele e agora sente cada dia mais a necessidade que ele entre no seu, vocês tem muitas arestas sempre a serem aparadas, pois as coisas vão acontecendo e fatos vão surgindo, e nem sempre tudo sai como você espera, atos e atitudes espontâneas. Você também precisa se ajustar a uma nova realidade, que é a de lidar com um novo ser humano de importância fundamental na sua vida, e que de uma forma ou outra influenciará suas decisões do dia a dia. Agora existe algo que te faz querer ter cada vez mais raízes, você quer viver isso. As dúvidas aparecem, será que o tanto que você pensa, dá, sente, ama, se doa, é o mesmo da parte do outro, isso é, é reciproco?

O tempo passa mais rápido do que imaginou, é impossível segurá-lo com as mãos, vocês não eram nem amigos, nem conhecidos, não tinham amigos em comum, nem conviveram no mesmo lugar por algum tempo. Se conheceram de repente, numa situação com segundas intenções, se identificaram "de cara" durante horas e horas de conversas que iam até o meio da madrugada. Ele te conquistou, e você também o conquistou, mesmo que nem sempre ele queira admitir com todas as letras. A questão é que com o tempo que passa rápido, vem uma rotina rápida demais, muito fora do padrão esperado. A vida cotidiana é cheia de dificuldades, vocês são muito jovens, estão enfrentando em suas vidas individuais e também juntos vários obstáculos todos os dias. Ele fica cansado e já não fica até tarde conversando, tentando te impressionar e encantar. Você também está cheia de conflitos internos sobre os mais diversos setores, frágil e sensível. Acaba ficando com medo dele achar que tudo está ganho e que não precisa mais te encantar com pequenas coisas.

Mas, ainda assim, quando estão juntos e tudo está bem é delicioso e divertido, vocês cozinham e ao mesmo tempo amam sair pra comer, os amigos dele são legais e te recebem muito bem, é a coisa mais fácil do mundo vocês ficarem abraçadinhos vendo um filme ou o futebol preguiçoso de domingo, ir ao supermercado se torna uma coisa ótima enquanto vocês disputam rindo quem vai ficar com o carrinho, ele faz uma porção de palhaçadas que te fazem rir de doer a barriga, fala de futuro e te inclui nos planos dele, vocês fazem planos de viagens, contam aos poucos histórias e detalhes de suas vidas, fofocam e se divertem com isso, ir ao cinema é mais gostoso pois ele tem um jeito de pegar na sua mão ou te abraçar enquanto você apoia a cabeça em seu ombro que torna qualquer filme mais aconchegante.

O que fazer então com tantas conclusões? Desistir sem olhar para trás? Não, não é isso que você deseja, só de pensar isso te faz chorar o Oceano Atlântico inteiro e mais cinco ilhas. Se desesperar e discutir o tempo todo por cada coisa que não está como você gostaria/espera? Também não, pois isso traz um desgaste perigoso, lembre-se sempre da sábia frase que te ensinaram, "escolha suas guerras".
Então, talvez a solução seja relaxar um pouco mais? Tentar não depositar tantas expectativas no outro, tentar viver recebendo o que o destino manda e esperando a encomenda (Ou seja, cada momento, ação, atitude) chegar para apenas nessa hora decidir o que fazer/achar ou como lidar com aquilo? Talvez nesse ponto nós tenhamos encontrado um principio de esperança a caminho do equilíbrio.

A coisa mais difícil do mundo para uma pessoa ansiosa imersa numa grande novidade talvez jamais vista ou vivida como antes seja relaxar e ter "jogo de cintura", aprender a lidar com o outro e com seus próprios anseios, e ao mesmo tempo moldar aos pouquinhos e com jeitinho tanto o outro quanto a si mesma, reconhecendo defeitos e qualidades de ambas as partes em prol de uma construção segura, sincera e firme. Um relação antes de mais nada é parceria e companheirismo calcados na base da verdade e de um amor, um carinho mútuo. Cada pessoa vem com um pacote, uma história, cabe a você descobrir como fazer para lidar e aceitar as partes não tão boas e aproveitar e admirar as partes ótimas. Mostre um pouco mais seus sentimentos mais sinceros, o quanto admira e no que, elogie gratuitamente. Aponte o erro mas depois não insista no clima ruim, tente quebrar o gelo em prol de momentos mais felizes.

Quando sua paciência estiver acabando, conte até dez, até vinte, não se entregue tão rápido. procure outro caminho alternativo. A fórmula do amor é uma das mais difíceis de se encontrar, mas se desistirmos nunca saberemos onde poderíamos ter chegado.

Nenhum comentário: