domingo, 2 de novembro de 2014

Porque eu tenho orgulho gordo e você deveria ter também.

Eu tenho orgulho gordo. Eu gosto de ser cheia de curvas e comer batata frita, gosto de me vestir bem, tenho estilo, sou linda, limpa e cheirosa (amo cremes e perfumes, quem me conhece sabe), odeio transpirar em dias quentes e procuro sempre ter lencinhos de papel na bolsa. Meghan Trainor disse em "All About That Bass" que os garotos gostam de ter o que apertar a noite. Ela está certa, eu tenho um garoto em casa e posso atestar isso, quando minha calça cai por um segundo ele me pergunta se estou emagrecendo com uma leve expressão de pavor.



Eu acabo fugindo dos esteriótipos impostos pela sociedade, apesar de algumas vezes me pegar preocupada com alguns deles ou com o que os outros vão pensar, pois no fundo é tanta coisa sendo sovada na sua cara pelas pessoas (muitas delas próximas inclusive), mídia e o cotidiano, em anos e anos de pré-conceitos, desde a infância, que é óbvio que uma hora você irá sucumbir um pouco a isso e se perguntar até onde está certa. Eu sempre fui gorda. Eu sempre tive barriga, Já tentei me imaginar sem a mesma e me pergunto como seria ficar deitada usando o notebook, ou ainda viver sem ela.

Já pesei 105 kg e perdi 15 depois de me descobrir diabética tipo 2. Evidente que isso junto com outros fatores (tenho pedra na vesícula e meu pai e avós paternos é/eram diabéticos) resultaram nessa situação e tive de resolver um pouco disso, não posso negar que está um pouco mais fácil para comprar roupas, mas ainda assim me pergunto até onde eu quero perder porque preciso e onde é para "agradar" os outros. Cresci sendo massacrada por muita gente próxima que me mandava emagrecer.
Fiz dietas normais e malucas desde os 9 anos de idade, ouvindo coisas como "você tem um rosto lindo" (essa é a pior) ou "estou falando isso para sua saúde" (mentira, você só fica incomodado(a) com meu monte de gordura sexy estrategicamente localizada nos lugares certos para ser gostosa de apertar e morder). Já tive época de sentir uma culpa tão grande em comer qualquer coisa que nada parava no meu estômago, naturalmente, e eu só tinha 13 anos.

Hoje tenho 23, peso menos (faça as contas), continuo sendo uma mulher alta e grande, tenho sim minhas neuras, não nego, mas estou em busca de resolvê-las. Estou me saindo bem até agora, tanto que agora consigo estar aqui tendo essa conversa franca com quem passar por aqui e parar para ler esse texto. Claro que ainda faltam algumas coisas, como usar mais biquinis e deixar pedaços da barriga aparecerem um pouco mais (Alô short de cintura alta+top cropped!), mas acima de roupas, a pouco tempo que fui aprender a desfrutar de meu corpo plenamente, depois de uma longa adolescência é que fui conseguir parar e começar aos poucos a me olhar com outros olhos.

Descobri um novo mundo, quando parei de dar ouvidos aos comentários maldosos de parentes e pessoas cotidianas, parei de ter medo de entrar numa loja e perguntar se tem o meu tamanho, comecei a usar mais o que quero dentro do que consigo, descobri moda plus size (que é um movimento que a cada dia cresce mais em todo o mundo), comecei a ler mais blogs sobre o tema, prestei mais atenção em mulheres gordas, grandes, exuberantes que são famosas e estão na tv, música, filmes, series, e o principal, parei de ter medo da palavra "gorda".



Ainda não gosto que usem essa palavra como algo pejorativo ou forma de ofensa, o que infelizmente ainda é muito comum. Me sinto no planeta dos macacos quando ouço algo assim ser motivo de risada, piada ou xingamento.

Nos últimos tempos descobri de verdade o quanto sou gostosa (sim, estou me achando porque sei até onde posso ir, "my body, my rules"), e o quanto posso ser o que eu acreditar que sou. As vezes me sinto pesada, mas isso passa. Você pode e deve ser o que quiser, e tem que parar de ter medo dos outros. Isso é muito difícil, eu sei, mas seja forte!

Não deixe que ninguém meta o dedo sujo na sua cara e diga o que você é ou deixa de ser, se é bonita ou feia, quem faz seu mundo é você mesma e a todos que realmente lhe querem bem e demonstram isso de alguma forma sincera e decente. Ame quem te amaria com 35 ou 200 kg. Só se obrigue a mudar algo em seu corpo se isso depender de uma saúde melhor e uma qualidade de vida. É totalmente possível ser gorda e levar uma alimentação saudável sem deixar de comer o que gosta e que nem sempre é tão saudável assim, convenhamos.

Não se sinta envergonhada em pedir Coca zero com pizza, pelo menos está tentando compensar as calorias de uma coisa consumindo menos do que outra, talvez você só prefira o gosto, talvez você seja diabética mas se permite uns carboidratos dentro da sua dieta, ou simplesmente porque você quer assim e ninguém tem nada com isso.

Por fim e não menos importante, não se culpe por pensamentos ruins em dias cinzentos, deixe-os ir da mesma forma que apareceram, de repente. Se esforce para fazer outras coisas, saia por ai e passeie, leia um livro divertido, não faça pesquisas idiotas no Google e não leia essas revistas malditas com chamadas escrotas sobre emagrecimento que só servem pra te deixar mais deprimida (aquelas fotos são 80% mentira, tudo Photoshop, confie em mim, sou designer e sei te dizer várias formas de alcançar tais resultados). Se esforce para não ter ciume/ficar incomodada com as revistas de "mulher pelada" do seu namorado/marido, eles vêem isso sabe Deus porque mas se estão com você não é atoa (repita esse mantra cada vez que cruzar com uma, quantas vezes precisar, até ficar tranquila. Ou abra aquilo e veja mais photoshop, mas não leve a serio, por favor. Ria. Muito.), ligue pra uma amiga e fofoque muito, faça algo que te dê prazer, ou se quiser e isso não for te fazer mal, coma algo gostoso de verdade, tipo um Sunday. É sorvete, não tem como te deixar triste.

Seja você mesma, na sua melhor versão, fazendo o bem, sendo sincera e o mais importante, sendo o mais feliz que puder com seu maior patrimônio que a natureza (e pra quem quiser acreditar, Deus) te deu: Seu lindo corpo.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Sobre Princesas de Juba

Eu sempre acreditei em fadas, cristais, princesas, nos sentimentos. Sempre fui a menina que brincava de ser da realeza e tomar chá com as Barbies e ursinhos, enquanto usava batom borrado e uma coroa de plástico cheia de brilhos que vinha no "kit de princesa" que papai me deu.

O tempo passou, e no fundo ainda me sinto princesa, muito. Um dos meus livros favoritos é a série "O Diário da Princesa", mas sei que o mundo não é cor de rosa, as coisas não são como esperei por algum tempo e a vida só me ensina todos os dias. Quando penso que já sei muito ela vai lá e "bam!", eu não sei de absolutamente nada e me vejo obrigada a começar de novo, de alguma forma, mesmo que seja só dentro de mim.




Os dias e seus acontecimentos só me fizeram a cada dia ter mais "couraça", juba de leão. Eu tive que aprender a ser leão em alguns momentos, mesmo que por fora pareça com uma gata assustada. No meu coração tive de ser leão. Tive não, na verdade ainda tenho, cada dia mais.

As vezes os sentimentos nos fazem achar que estamos confortáveis em nosso lugar comum, que está tudo ajeitado nos seus novos lugares, mas sempre vem algo direta ou indiretamente que balança o nosso mundo. O meu mundo vem passando por abalos sísmicos de alta periculosidade.

As vezes uma imaginação fértil, uma pitada de curiosidade e todos os recursos tecnológicos que temos hoje podem ser uma mistura mais fatal que uma bomba atômica ou granada. É só puxar o pino que tudo pode acontecer.

O ser humano precisa de coisas que vão além dessa vida rasa que as vezes a gente leva no dia a dia. É preciso dar vazão aos sentimentos (já diria Bidê ou Balde, uma banda gaúcha de rock nacional incrível e que eu amo). Todo mundo gosta de se sentir abraçado e especial, e eu não sou diferente, muito menos você ai do outro lado. Todo mundo tem muito o que dizer, e todas as redes sociais e apps de conversa estão ai para provar isso.

Quando eu vejo que as coisas não são da forma como sempre projetei, fico cheia de pensamentos e dúvidas, suposições, e as vezes quando compartilho com alguém , vejo que não sou a única, especialmente quando converso com outras mulheres. A gente precisa de amor, carinho, chocolate, palavras, cartinhas, flor, dobradura e sorriso. De varinha de condão na nossa cabeça, pra cair chuva de purpurina e nos encher de esperança nesse mundo caótico e egoísta. De riso e de choro também quando precisar, mas só um pouquinho, e que seja de emoção, porque quando é por qualquer outra razão e o coração chora junto é grave, e doí demais. Se eu pudesse, faria um seguro pra ele, tirava e guardava numa caixinha com chave guardada no meu peito.

Na vida muitas vezes temos ambições, especialmente materiais, mas quanto mais ando com minhas próprias pernas, mais percebo que o que vale é a nobreza de princípios e um coração límpido. Ter juba e coração de leão para gente levar essa luta diária que é existir, para amar com mais sinceridade e cuidar de quem a gente quer por perto, mostrar isso sem rodeios.

E você, já se olhou no espelho hoje? Viu a princesa que é, e daquelas com juba?

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Como comer sushi da forma certa?

Nos últimos tempos estou descobrindo as delícias da culinária japonesa, especialmente sushis, sashimis e hot philadelphias! Porém no início desta nova aventura é MUITO comum nós termos dúvidas básicas sobre como se portar a mesa, consumir os alimentos e outras coisas mais, sendo assim, decidi pesquisar um pouco mais sobre isso e contar tudo para vocês!

5 regras básicas para comer com mais sabor e fazendo bonito:

Hashi

Não se deve espetá-los (isso seria uma grosseira menção a um ritual fúnebre japonês) ou cruzá-los nas peças, e sim mantê-los paralelos entre os dedos médio, indicador e polegar, assim "pinçando" cada alimento. Não se desespere, tudo é questão de hábito e treinamento, rs

Shoyu

O ideal é molhar suavemente a peça do lado do peixe no molho, nada de encharca-la ou molhar o arroz. Além de fazer qualquer sushiman ter um infarto, desmonta a peça e compromete o sabor final! Você está comendo para sentir o sabor dos alimentos, e não do molho.

Gengibre

Serve para ser consumido entre uma refeição e outra para limpar o paladar. Exemplo: Após o salmão, deve-se comer gengibre para sentir melhor o sabor do atum, que é um peixe mais gorduroso.

Wasabi

Originalmente seu uso foi pensado para ser usado na preparação do sushi entre o peixe e o arroz, afim de prevenir intoxicação alimentar e acelerar a digestão. Hoje em dia é usado como um tempero opcional para quem prefere sabores intensos.

Sushi 

Deve ser levado a boca com o lado do peixe virado para sua língua, afinal, essa é a parte mais importante do alimento que deve ser saboreada por suas papilas gustativas! O arroz é apenas um complemento, igualmente saboroso se bem preparado, mas é totalmente secundário. Outra coisa MUITO importante é NÃO morder aos pedaços, e SIM colocá-lo INTEIRO na boca, morder é algo MUITO DESELEGANTE. Se você reparar, as pecinhas não foram feitas pequenininhas atoa. Ah, esses japoneses sabidos... rs


Outra dica importante é verificar se as peças estão fresquinhas, sem odores esquisitos, e com pouca ou nenhuma "água" no arroz por exemplo. As melhores opções para quem quer começar a provar comida japonesa são os Temakis, que levam algas e arroz ou ainda o hot philadelphia, um dos meus favoritos!

Espero que possam aproveitar bem essas tips, e no mais, não se preocupem. O importante é experimentar o máximo de sabores e vezes possíveis para se deliciar e aprender com a prática! Aqui no Rio de Janeiro recomendo os restaurantes Koni Store, Sushiaki (No Village Mall) e Japinha Delivery!

Beijos,

Fabs

sexta-feira, 25 de julho de 2014

O novo jeans - Porque você vai usa-lo

Nos últimos desfiles, foram vistos um grande apelo do jeans de modo geral, nas mais diversas formas.

É sabido que na moda, de tempos em tempos, tudo muda, voltando ao que era antes, com novidades, ou ainda todas essas possibilidades juntas e renovadas. Nada é igual pra sempre e talvez isso faça toda a diferença na hora de observarmos atentamente todas as tendências.

Pontos Altos dessa estação:

- Estampas
- Texturas
- Cores clássicas
- Rasgados
- Patchwork
- Joelhos Marcados
- Lavagens claras
- Calça Baggy
- Híbrido (Jeans + Látex)
- Militar
- Skinny (o máximo possível)



O que vai embora (Pelo menos até a próxima estação):

- Tachas e rebites
- Lavagens escuras
- Cores vivas
- Capri
- Jegging (Jeans+Legging)

De um modo geral, o Jeans é mais do que uma peça curinga em todos os armários de 9 entre 10 mulheres no mundo, ele já se tornou um item indispensável que está sempre se renovando e reinventando. Particularmente amo usar Jeans, não me imagino sem!

Essa estação dá espaço para que a próxima venha cheia de combinações inusitadas e releituras relevantes, porém essas novidades só saberemos nos desfiles de setembro-outubro. Até lá, vamos aproveitar as tendências do momento e arrasar por ai!

Até a próxima!

Fabs

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Etc - Quando você ama uma pessoa de carne e osso

As vezes nós passamos a maior parte do tempo fantasiando com a pessoa perfeita, e quando finalmente a encontramos, vemos que a "perfeição" não existe, nem da nossa parte, nem da dela. Mas, e quando mesmo assim cada vez que a olhamos temos um sentimento de amor e ternura sinceros?

Você olha pro outro, e ele não é o príncipe do cavalo branco que você tanto esperou, ele dorme mais do que a cama, esquece de te responder várias vezes no Whatsapp, não entende porque você chora tão fácil, nunca te deu flores e não tem jeito pra falar dos próprios sentimentos e fazer declarações de amor, dizer palavras bonitas. Ele fala sobre precisar de espaço, é metódico, tenta delimitar o tempo de tudo, até do quanto vocês ficam juntos, as vezes ele é chato e até egoísta. Mas ainda assim você gosta dele, fica se perguntando o que te move a insistir nessa pessoa.

Depois de pensar em tudo isso, você lembra da forma como ele te olha e sorri quando vocês estão abraçados na cama, um de frente pro outro, como foi mágico o dia em que vocês se conheceram de fato, como ele se preocupa com você de um jeito serio, os dias que fizeram coisas simples e divertidas, como andar de pedalinho na lagoa ou pegar um ônibus para lugares aonde você nunca pensou estar um dia, por exemplo. Como o seu riso é feliz com o dele. Como seu abraço é quentinho, como é gostoso dormir de conchinha, o beijo, o quanto vocês ainda tem o que se conhecer e trocar, mesmo que ele não seja capaz de perceber, pois foi tudo muito rápido, inesperado e intenso.



Você entrou totalmente no mundo dele e agora sente cada dia mais a necessidade que ele entre no seu, vocês tem muitas arestas sempre a serem aparadas, pois as coisas vão acontecendo e fatos vão surgindo, e nem sempre tudo sai como você espera, atos e atitudes espontâneas. Você também precisa se ajustar a uma nova realidade, que é a de lidar com um novo ser humano de importância fundamental na sua vida, e que de uma forma ou outra influenciará suas decisões do dia a dia. Agora existe algo que te faz querer ter cada vez mais raízes, você quer viver isso. As dúvidas aparecem, será que o tanto que você pensa, dá, sente, ama, se doa, é o mesmo da parte do outro, isso é, é reciproco?

O tempo passa mais rápido do que imaginou, é impossível segurá-lo com as mãos, vocês não eram nem amigos, nem conhecidos, não tinham amigos em comum, nem conviveram no mesmo lugar por algum tempo. Se conheceram de repente, numa situação com segundas intenções, se identificaram "de cara" durante horas e horas de conversas que iam até o meio da madrugada. Ele te conquistou, e você também o conquistou, mesmo que nem sempre ele queira admitir com todas as letras. A questão é que com o tempo que passa rápido, vem uma rotina rápida demais, muito fora do padrão esperado. A vida cotidiana é cheia de dificuldades, vocês são muito jovens, estão enfrentando em suas vidas individuais e também juntos vários obstáculos todos os dias. Ele fica cansado e já não fica até tarde conversando, tentando te impressionar e encantar. Você também está cheia de conflitos internos sobre os mais diversos setores, frágil e sensível. Acaba ficando com medo dele achar que tudo está ganho e que não precisa mais te encantar com pequenas coisas.

Mas, ainda assim, quando estão juntos e tudo está bem é delicioso e divertido, vocês cozinham e ao mesmo tempo amam sair pra comer, os amigos dele são legais e te recebem muito bem, é a coisa mais fácil do mundo vocês ficarem abraçadinhos vendo um filme ou o futebol preguiçoso de domingo, ir ao supermercado se torna uma coisa ótima enquanto vocês disputam rindo quem vai ficar com o carrinho, ele faz uma porção de palhaçadas que te fazem rir de doer a barriga, fala de futuro e te inclui nos planos dele, vocês fazem planos de viagens, contam aos poucos histórias e detalhes de suas vidas, fofocam e se divertem com isso, ir ao cinema é mais gostoso pois ele tem um jeito de pegar na sua mão ou te abraçar enquanto você apoia a cabeça em seu ombro que torna qualquer filme mais aconchegante.

O que fazer então com tantas conclusões? Desistir sem olhar para trás? Não, não é isso que você deseja, só de pensar isso te faz chorar o Oceano Atlântico inteiro e mais cinco ilhas. Se desesperar e discutir o tempo todo por cada coisa que não está como você gostaria/espera? Também não, pois isso traz um desgaste perigoso, lembre-se sempre da sábia frase que te ensinaram, "escolha suas guerras".
Então, talvez a solução seja relaxar um pouco mais? Tentar não depositar tantas expectativas no outro, tentar viver recebendo o que o destino manda e esperando a encomenda (Ou seja, cada momento, ação, atitude) chegar para apenas nessa hora decidir o que fazer/achar ou como lidar com aquilo? Talvez nesse ponto nós tenhamos encontrado um principio de esperança a caminho do equilíbrio.

A coisa mais difícil do mundo para uma pessoa ansiosa imersa numa grande novidade talvez jamais vista ou vivida como antes seja relaxar e ter "jogo de cintura", aprender a lidar com o outro e com seus próprios anseios, e ao mesmo tempo moldar aos pouquinhos e com jeitinho tanto o outro quanto a si mesma, reconhecendo defeitos e qualidades de ambas as partes em prol de uma construção segura, sincera e firme. Um relação antes de mais nada é parceria e companheirismo calcados na base da verdade e de um amor, um carinho mútuo. Cada pessoa vem com um pacote, uma história, cabe a você descobrir como fazer para lidar e aceitar as partes não tão boas e aproveitar e admirar as partes ótimas. Mostre um pouco mais seus sentimentos mais sinceros, o quanto admira e no que, elogie gratuitamente. Aponte o erro mas depois não insista no clima ruim, tente quebrar o gelo em prol de momentos mais felizes.

Quando sua paciência estiver acabando, conte até dez, até vinte, não se entregue tão rápido. procure outro caminho alternativo. A fórmula do amor é uma das mais difíceis de se encontrar, mas se desistirmos nunca saberemos onde poderíamos ter chegado.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Etc - Quando é a hora de voltar

Em alguns momentos da vida precisamos de um tempo só nosso para reavaliar prioridades. Pelo tempo que estou sem aparecer por aqui, dá para perceber que tirei umas férias longas, rs, das quais aproveitei para trabalhar, me formar, viver novidades em minha vida, perdas, ganhos e agora, mais do que nunca, a decisão de que quero voltar pro meu lugar, aonde tudo começou a algum tempo, ainda no Moda Livre (meu antigo blog).
Hoje sou formada em Design Gráfico, estou a procura de um novo trabalho e tenho certeza de que quero falar sobre vários assuntos, e não somente moda como antes. 

Aqui sempre foi meu espaço aberto aonde posso falar a vontade e da forma que sei melhor, escrevendo.
Estamos no meio do ano, em plena Copa do Mundo e sei que ainda temos mais 6 meses pela frente de muito trabalho e novidades em nosso país, mas sei que assunto não vai faltar e creio que daqui pra frente não quero mais passar tanto tempo longe. Não importa quantas visitas tenho, o que importa é que quem chegou até aqui é porque quer saber o que tenho a dizer, minhas impressões sobre tudo. 


Escrever me faz uma pessoa mais feliz, a vida é feita de movimentos cíclicos aonde nunca sabemos se um dia voltaremos para o ponto aonde deixamos algo ou se partiremos definitivamente sem nunca mais olhar para trás, essas são coisas que só o tempo mostra, mas uma certeza eu tenho: uma vez que acontece, nunca mais seremos os mesmos. Se voltamos para algo, voltamos melhores e com mais novidade, bagagem, história pra contar.

Tô voltando pra casa :)

Um beijo,
Fabs